PROJETO DE PESQUISA

 

Docente: Heliana Ribeiro de Mello

 

Áreas da pesquisa: Análise do discurso; Interface linguagem e cognição; Ensino e aprendizagem de língua estrangeira.

 

1. TÍTULO: Mapeamentos conceptuais via análise metafórica do    discurso sobre a sala de aula de língua inglesa.

 

2.     INTRODUÇÃO:

 

A complexidade da rede discursiva que se manifesta no ambiente de qualquer sala de aula não deve surpreender  a nenhum professor, pois todos sabemos das inúmeras possibilidades interativas ali presentes, sejam elas manifestadas através dos pares aprendiz-aprendiz ou aprendiz-professor, ou ainda de redes interativas mais ampas (ex. aprendiz1-professor-aprendiz2). Dentro desse universo, há uma vasta riqueza analítica para o pesquisador do discurso, uma vez que diferentes perspectivas teórico-metodológicas podem ser adotadas (ver Mello & Mello, 2001).

Neste projeto, proponho o estudo das metáforas utilizadas por aprendizes e professores de língua inglesa, e coletadas a partir de suas manifestações discursivas, acerca do ambiente de aprendizado delineado pela sala de aula de língua inglesa como língua estrangeira (“English as a Foreign Language” - EFL).

O conceito de metáfora, como fenômeno cognitivo, separado de sua função puramente retórica na linguagem, tem sido explorado amplamente nas últimas duas décadas (ver Lakoff, 1987; 1997; Lakoff e Johnson, 1980; Lakoff e Turner, 1989). De acordo com Lakoff (1992:1), a teoria clássica sobre metáforas é inadequada, uma vez que algo que era visto como meramente governando o uso lexical na linguagem, na realidade manifesta princípios governados pelo pensamento. Lakoff (idem) argumenta, convincentemente, que processos metafóricos extrapolam o nível  das expressões novas e de efeito, e na realidade se aplicam ao discurso, na linguagem ordinária do dia-a-dia. Lakoff (1992:1), mais especificamente, afirma que:

        

(...) o locus da metáfora não é de forma alguma na linguagem, mas sim na forma através da qual conceptualizamos um domínio mental em termos de outro. A Teoria Geral da Metáfora é dada pela caracterização de tais mapeamentos entre domínios. E nesse processo, conceitos abstratos rotineiros, como tempo, estado, mudança, causatividade e propósito, também  mostram-se como processos metafóricos. [Tradução minha, HRM].

 

            Neste projeto, explicitarei o meu propósito de estudar as metáforas de professores e aprendizes de língua estrangeira, com vistas a propor mapeamentos cognitivos que reflitam as crenças e conceptualizações que ambos os grupos possuem a respeito dos processos desencadeados pela sua interação em sala de aula.

 

3. OBJETIVOS

 

·        Objetivos gerais:

 

Ø     organização de um corpus representativo do discurso aprendiz/professor de língua estrangeira, contendo os seguintes gêneros:  transcrições de gravações de sessões de discussão de visionamento da prática docente em sala de aula de língua estrangeira; transcrições de gravações de aulas de inglês (EFL); transcrições de entrevistas orais com alunos de língua estrangeira; narrativas escritas produzidas por aprendizes e professores de língua estrangeira enfocando os processos interativos em sala de aula; questionários direcionados à avaliação das interações em sala de aula de língua estrangeira, respondidos por aprendizes e professores;

Ø     arrolamento das metáforas presentes no corpus coletado;

Ø     classificação das metáforas arroladas, de acordo com os grupos conceituais a elas subjacentes.

 

·        Objetivos específicos:

 

Ø     Análise situada dos grupos conceituais em que  se encaixam as metáforas do discurso do professor e do aprendiz de língua estrangeira, visando a explicitar as crenças de ambos os grupos a respeito do processos interativos da sala de aula, através do mapeamento de domínios cognitivos;

Ø     mapeamento dos grupamentos metafóricos encontrados em relação a categorias de outros domínios cognitivos;

Ø     proposição de técnicas reflexivas para aprendizes e professores de língua estrangeira, baseadas nos resultados obtidos na pesquisa, a fim de que, através da conscientização das crenças que permeiam o processo de aprendizagem e ensino de língua estrangeira, ambos os grupos possam avançar qualitativamente em seu desempenho.

 

4. JUSTIFICATIVA

 

 

O processo de conceptualização do mundo que nos cerca e no qual estamos todos inseridos certamente é efetuado diferentemente por cada um de nós. Apesar das chamadas características culturais de grupo, a individuação mental é uma propriedade dos seres humanos. Assim sendo, o estudo de manifestações individuais de opiniões e reflexões sobre um dado tema, pode nos permitir ver a diversidade, assim como também, as semelhanças entre o modo de pensar e as crenças de um dado grupo de indivíduos.

Na pesquisa ora proposta, objetiva-se estudar, através das metáforas utilizadas por aprendizes e professores de língua estrangeira em seu discurso, os modelos mentais que esses constroem sobre a interação na sala de aula. Esse estudo se justifica, assim, basicamente por  três de seus possíveis resultados:

 

Ø     proposição de categorias e mapeamentos cognitivos sugeridos pela interação em sala de aula de língua estrangeira;

Ø     explicitação da relação entre metáforas presentes no discurso do professor e do aprendiz e categorias conceptuais e modelos mentais;

Ø     explicitação de modelos mentais adotados na prática pedagógica e o cotejamento destes com o papel do aprendiz.

 

5. SUPORTE TEÓRICO

 

         O quadro teórico a ser adotado no desenvolvimento da pesquisa delimitada neste projeto centra-se na teoria conhecida como Lingüística Cognitiva (LC). Pode-se afirmar, com bastante ênfase, que a LC tem ganhado espaço nas análises lingüísticas nos últimos vinte anos, devido sobretudo à preocupação explicitamente assumida por seus praticantes, de aliarem-se aspectos cognitivo-psicológicos à forma assumida pela linguagem. Assim sendo, a LC mostra-se como uma teoria promissora para estudos teóricos e aplicados da linguagem, uma vez que seu arcabouço abarca aspectos de forma, sentido, pragmática, gênese, aquisição, rotinização, dentre outros aspectos lingüísticos.

         Utilizar-me-ei sobretudo das referências bibliográficas abaixo arroladas, por serem elas representativas do estado da arte dos estudos metafóricos, baseados na LC. Destacam-se:

 

·        FAUCONNIER, G. Mental Spaces: Aspects of Meaning Construction in Natural Language. Cambridge, Mass.: MIT Press. 1985 (2a. ed. 1994, Cambridge: Cambridge University Press).

·        GRADY, J.; SARAH TAUB & PAMELA MORGAN. Primitive and Compound Metaphors. In ADELE E. GOLDBERG (org.). Conceptual Structure, Discourse and Language. Stanford: CSLI Publications. 1996. P. 177-187. 

·        LAKKOF, G. The Contemporary Theory of Metaphor. In ANDREW ORTHONY (org.). Metaphor and Thought. Cambridge: Cambridge University Press. 1993. 2a. ed. Cambridge: Cambridge University Press. 1997. P.202-251.

 

6. METODOLOGIA

 

         A estrutura metodológica da pesquisa aqui proposta compõe-se de:

·        Coleta de dados;

·        Organização do corpus;

·        Análise dos tokens metafóricos elicitados através do corpus;

·        Elaboração de propostas analíticas e pragmáticas.

 

O procedimento para a coleta de dados dar-se-á através da gravação de aulas de Língua Inglesa de três grupos distintos (níveis: básico, intermediário e avançado) a fim de se verificarem as possíveis diferenças que o tempo de exposição ao estudo da língua estrangeira possa ter causado aos aprendizes no seu processo de conceptualização do aprendizado de língua estrangeira. Serão também conduzidas entrevistas com perguntas dirigidas aos aprendizes e aos professores no início, meio e término do semestre letivo, a fim de se balizarem as diferentes perspectivas explicitadas pelos sujeitos na linha do tempo.[1] Serão organizados dados discursivos de professores e alunos através da análise de narrativas e questionários a respeito da prática da sala de aula, a serem solicitados a professores e alunos.

A organização do corpus será feita a partir da transcrição e digitalização das aulas gravadas e digitalização das entrevistas conduzidas.

A análise dos dados será desenvolvida a partir da identificação das metáforas presentes no corpus e sua estruturação qualitativa e quantitativa.

A análise final será desenvolvida a partir dos dados obtidos à luz do arcabouço teórico explicitado na seção 5 acima, e de constribuições a serem feitas pela pesquisadora proponente deste projeto.

 

7. CRONOGRAMA

 

·        6 meses: coleta dos dados e revisão bibliográfica;

·        6 meses: organização e digitalização do corpus;

·        6 meses: análise qualitativa e quantitativa dos dados;

·        6 meses: elaboração de propostas analítico-pragmáticas.

 

8. POSSÍVEIS DESDOBRAMENTOS

 

·        Orientação de alunos de graduação e pós-graduação;

·        Participação em eventos científicos;

·        Publicação de artigos científicos.

 

9. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICAS

 

FAUCONNIER, G. Mental Spaces: Aspects of Meaning Construction in Natural Language. Cambridge, Mass.: MIT Press. 1985 (2a. ed. 1994, Cambridge: Cambridge University Press).

GRADY, J.; SARAH TAUB & PAMELA MORGAN. Primitive and Compound Metaphors. In ADELE E. GOLDBERG (org.). Conceptual Structure, Discourse and Language. Stanford: CSLI Publications. 1996. P. 177-187.

LAKOFF, . Women, Fire and Dangerous Things. Chicago: The University of Chicago Press. 1987.

_____.The Contemporary Theory of Metaphor. Manuscript. University of California at Berkeley. 1992.

______. The Contemporary Theory of Metaphor. In ANDREW ORTHONY (org.). Metaphor and Thought Cambridge: Cambridge University Press. 1993.  2a. ed. Cambridge: Cambridge University Press. 1997. P.202-251.

LAKOFF, George & Mark Johnson. Metaphors We Live By. Chicago: The University of Chicago Press. 1980.

LAKOFF, George & Mark Turner. More than Cool Reason. Chicago: The University of Chicago Press. 1989.

MELLO, H. & A. C. MELLO. Metaphors in EFL Teachers’ Discourse. Trabalho apresentado no Encontro Nacional de Professores Universitários de Língua Inglesa, Londrina – 2001.

 



[1] As transcrições de sessões de discussão de visionamento da prática docente em sala de aula de língua inglesa já se encontram disponíveis.