UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA

Faculdade de Ciências Humanas

Curso de Letras: Licenciatura em Inglês

 

 

Projeto de Iniciação Científica

Proponente: Profa Magali Barçante Alvarenga

 

Mapeamento do Perfil do(a) Professor(a)  de Inglês das Escolas Públicas de Piracicaba: Formação e Competências

 

 

Resumo

 

Este projeto de Iniciação Científica tem como objetivo "desenhar", através de interação com professores de Inglês do terceiro e quarto ciclos de escolas públicas de Piracicaba, o perfil desses profissionais com base em dados sobre a sua formação acadêmico-profissional, auto-análise e auto-avaliação da prática pedagógica, a partir de discussão empreendida em Lingüística Aplicada sobre formação de professores, a ser apresentada na fundamentação teórica. Para tanto, serão elaborados instrumentos etnográficos de pesquisa para procedermos à coleta de dados, em forma de questionário e de entrevista semi-estruturada, detalhados na metodologia.

A partir do "desenho" do perfil de professores de Inglês que atuam em escolas públicas piracicabanas, construído através de uma visão detalhada e qualitativa a respeito da formação acadêmica inicial e continuada  desses professores e da análise e avaliação de sua prática, poderemos propor e concretizar ações - em forma, por exemplo, de projetos de extensão, de cursos seqüenciais e de estágio supervisionado - oriundas dessa  interação que levarão em conta as   necessidades e os interesses de ambas, escola e universidade. Soma-se a isso o fato dos dados se constituírem como potencial fonte de informação para a comunidade cientifica.

 

1.      Introdução

 

1.1.  Objetivos e Justificativa

 

A sociedade brasileira, apesar de reconhecer a importância da aprendizagem de, pelo menos, uma Língua Estrangeira, vive situação contraditória ao retirar da escola básica o cumprimento dessa função.

Não são poucas as ocasiões em que testemunhamos um discurso que reforça a idéia de que à escola cabe ensinar noções de uma língua estrangeira (Inglês, nesse caso), sendo atribuída a responsabilidade do ensino de língua estrangeira às escolas de idiomas e às supostas viagens a países falantes dessa língua.

 

Barcelos (1999), ao tratar da cultura de aprender línguas, diz, ao referir-se aos resultados de entrevista realizada com alunos de Letras

 

Foi preciso uma análise cuidadosa das entrevistas para perceber a crença no exterior (lá fora) como o lugar ideal para a aprendizagem de línguas, que é apresentado, em primeiro lugar, como o paraíso onde não seria necessário tanto esforço e onde eles aprenderiam rapidamente, e como um "remédio" que poderia "sanar" as deficiências de uma aprendizagem "aqui no Brasil." (p.168,169)

 

 

E, acrescenta

 

Ligado à experiência anterior vem o conselho de "fazer cursinho" (curso livre em escola de línguas) como maneira de se aprender inglês. (...) Esse conselho reflete a alta expectativa que os alunos têm de uma maneira geral, na aprendizagem eficaz nesse tipo de estabelecimento, cuja competência é dada como certa e que, em geral, não é questionada, ao contrário do que acontece com as escolas públicas. (p.173)1:

 

 Inúmeros são os fatores que têm contribuído para o enfraquecimento da profissão de professor de inglês, entre eles podemos citar os próprios Parâmetros Curriculares Nacionais de Língua Estrangeira Moderna (1996) que, ao denunciarem a situação caótica em que vive o ensino de inglês nas escolas públicas, propõem uma ação de "colocar panos quentes" para darmos prosseguimento ao cotidiano escolar. O documento reafirma a precariedade do ensino e aponta como solução a eleição da habilidade de leitura como aquela que amenizará tal situação. Como coadjuvante do cenário desenhado por esse documento, está a formação do professor.

 

Entendemos que este projeto de Iniciação Científica possa vir a preencher esta lacuna ao propor ações que surjam do diálogo entre universidade e escola que, ao levarem em consideração os interesses e as necessidades de ambas as partes, busquem novos rumos para tal situação que se tem considerado como instalada.

 

De nosso lado, assumiremos o papel de interlocutores no diálogo que teve seu início nas oficinas de trabalho propostas pela supervisora de estágio de Inglês,  ao longo do período de estágio. Nessas oficinas, alunos estagiários de Letras: Habilitação em Português e em Inglês  e professores de Inglês das escolas campo de estágio participam da apresentação e discussão de temas de relevância para a prática pedagógica e, nessas ocasiões, os depoimentos de professores convidados têm apontado para o desejo e a necessidade de interagirem com seus parceiros da academia.

 

A parceria entre Escola e Universidade tem se tornado cada vez mais presente e é urgente que ações sejam pensadas e concretizadas para a promoção dessa parceria. Entendemos que os dados desta pesquisa subsidiarão internamente a elaboração do Projeto de Estágio Supervisionado do Curso de Letras: Licenciatura em  Inglês no sentido de podermos, com o mapeamento do perfil dos professores que atuam nas escolas públicas de Piracicaba, propor ações efetivas junto aos estagiários e professores. É importante destacar que as Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Licenciaturas (Parecer CNE/CP 28/2001 e Res. CNE/CP 2/2002) instituíram a obrigatoriedade de quatrocentas horas para Prática como Componente Curricular e mais quatrocentas horas para Estágio Curricular  Supervisionado. Essa carga horária já está prevista para o Curso de Letras: Licenciatura em Inglês, e as disciplinas de estágio deverão  iniciar no quarto semestre, ou seja, em agosto de 2004.

 

2. Fundamentação teórica

 

A discussão na área de formação de professores tem eleito a reflexão da prática pedagógica (Campos e Pessoa, 1998; Souza, 1998; Gómez, 1997; Ortenzi, 1997; Zeichner e Liston, 1996; Almeida Filho, 1999; Gimenez, T, 1994; Schön, 1983) como um caminho promissor para o professor se perceber como educador transformador porque conhecedor do cenário macro que o cerca. Isso implica o reconhecimento de que a prática pedagógica não é neutra, mas permeada por concepções filosóficas, sociais e políticas (Sordi, 1992; Luckesi, 1996; Hoffman, 1998).

Nesse sentido, situamos este projeto dentro dessa visão de que a reflexão sistemática sobre nossas ações pode nos apontar rotas de ensinar não percebidas a priori; o foco incidirá, desse modo, na compreensão de competências construídas pelo professor ao longo de sua vida profissional.

 

Entendemos que as ações pedagógicas do professor podem ser melhor compreendidas através de análise das quatro dimensões que compõem a sua abordagem de ensinar (Almeida Filho, 1993): o planejamento de curso ou unidade, as experiências de aprender língua estrangeira - o método - vivenciadas em sala de aula e em sua extensão - lição de casa, auto-estudo - o material didático selecionado e/ou  produzido pelo professor e a avaliação do alunos.

 

A concretização dessas dimensões é influenciada pelos conceitos que o professor tem acerca de linguagem e língua, ensinar e aprender língua estrangeira e de seus papéis e de seus alunos no processo de ensino e aprendizagem, conceitos esses aqui considerados como a Abordagem de Ensinar do Professor. Ao analisarmos tais dimensões, cuidadosamente, poderemos reconstruir o norte das ações pedagógicas. Nesse processo, sempre dinâmico, há forças potenciais que atuam na concretização dessas ações, a saber,  a cultura de aprender línguas (Barcelos, 1999), o filtro afetivo do professor e dos alunos (Krashen, 1982), a instituição onde o professor trabalha, os seus pares/parceiros profissionais e a história de desenvolvimento profissional do professor atualizada em forma de competências de ensinar, que revelam a "história de desenvolvimento profissional/ intelectual do professor" (Almeida Filho, 1999).

 

As competências de ensinar, entendidas como saberes construídos ao longo da vida profissional, que revelam a história de desenvolvimento profissional do professor, têm recebido interesse especial na área da Lingüística Aplicada e da Educação, sobretudo na sub-área de formação de professores (Bandeira, 2003; Rios, 1993, 2002; Tardin Cardoso, 2002; Basso, 2001; Perrenoud, 2000, 2001; Alvarenga, 1999,1999a; Almeida Filho, 1993, 1997,1999; Saviani,1996; Patrocínio,1993; Filgueiras dos Reis, 1992; Freire, 1988; Pereira, 1988; Mello, 1987) e sua inegável contribuição tem levado pesquisadores e professores a considerarem  o processo de formação pautado pela reflexão e entendimento das escolhas pedagógicas como um possível caminho para entendermos, inicialmente, quem somos, onde estamos, para, então, projetarmos nossos ideais profissionais.

 

A abordagem de ensinar de cada professor, concretizada nas quatro dimensões acima citadas, relaciona-se indissociavelmente a essas forças potenciais, e para este projeto, interessa-nos, sobretudo, compreender a análise e a avaliação que o professor de Inglês da rede pública de Piracicaba faz de sua prática pedagógica consoante as competências.

 

Analisaremos cinco competências de ensinar línguas, a saber, a competência lingüístico-comunicativa, a competência implícita, a competência teórica, a competência aplicada e a competência profissional, discutidas por Almeida Filho (1993, 1999), Alvarenga (1999, 1999 a),  Basso (2001) e Bandeira (2003), conceituadas abaixo:

 

Competência  lingüístico-comunicativa: a competência do professor de produzir linguagem em contextos de uso e comunicação, insumo de qualidade para que os seus alunos tenham isso como insumo útil para produzir competência eles mesmos.

 

Competência implícita: corresponde às disposições do professor para ensinar da maneira como ensina habitualmente. Essa competência tem como base as intuições, crenças e experiências anteriores vivenciadas pelo professor enquanto aluno e professor.

 

Competência teórica: aquela que o professor busca na literatura da área, nos resultados de pesquisa  e que  articula, de maneira que o que ele faz - a sua prática pedagógica - vai ficando  mais próximo  do que ele sabe e que sabe articular.

 

Competência aplicada: é a que capacita o professor a ensinar de acordo com o que sabe conscientemente (competência teórica), permitindo-lhe explicar com plausibilidade, no sentido de Prabhu (1992) porque ensina da maneira como ensina e porque obtém os resultados que obtém.

 

Competência  profissional: ancora-se no sentido de responsabilidade que o professor tem de si mesmo, do que representa ser professor, de seus deveres e responsabilidade social.

 

A configuração de competências de ensinar do professor de Inglês, construída a partir de seu olhar - análise e avaliação de sua prática pedagógica -  assim como os dados obtidos pelo questionário sobre a sua formação acadêmico-profissional guiarão nosso entendimento no mapeamento que pretendemos realizar sobre o perfil do professor de Inglês da escola pública piracicabana.  Conforme já dissemos, os resultados deste projeto poderão contribuir para futuros programas de formação continuada, para a elaboração de projetos de extensão, e ainda, servirão para a reflexão sobre a formação inicial do professor2.  Dessa forma, fazemos nossa a afirmação de Xavier (1999:333) quando a autora se refere aos resultados de pesquisa implementada em uma  escola pública de uma cidade  do Estado de São Paulo

           

(...) pode-se dizer que essa experiência foi válida e possível de ser realizada em contextos do Ensino Fundamental onde muitos afirmam que nada funciona. (grifo nosso)

 

 

3. Metodologia

 

O projeto aqui apresentado insere-se numa tradição de pesquisa interpretativa (Erickson, 1986) que entende que para se compreender uma determinada realidade ou fato social há de se levar em conta  o que nela há de particular.

 

Para realizarmos a coleta de registros de onde os dados serão levantados, utilizaremo-nos de procedimentos etnográficos como gravação e transcrição de entrevistas semi-estruturadas com os professores de Inglês e aplicação de questionário.

 

O questionário terá a função de levantar dados pontuais sobre o professor tais como onde se graduou, se continua seus estudos e de que forma - sistemática ou não -  quanto tempo permanece em uma escola e, portanto, se consegue desenvolver o projeto pedagógico da escola, há quanto tempo está na escola onde realizaremos a  pesquisa, se é professor em outra escolas,  que material didático adota ou cria, entre outros. O questionário será elaborado no mês  de setembro de 2004.

 

As entrevistas fornecerão dados sobre o olhar do professor para a  sua prática  pedagógica quanto ao desenvolvimento  de competências de ensinar. Cabe dizer que pesquisador e professor são entendidos, neste projeto, como co-participantes ativos e sujeitos no ato de construção e de transformação do conhecimento (Magalhães, 1994:72).

 

Através de contato com a Diretoria de Ensino - Regional de Piracicaba3- fomos informados de que há na cidade quarenta e uma (41) escolas de ensino fundamental, dentre as quais  quinze (15) situam-se na região central, incluindo o supletivo, e vinte e seis (26) estão localizadas na periferia da cidade, das quais cinco são escolas rurais.

 

Pretendemos interagir, neste primeiro momento, com as escolas da região central, o que justificamos pelo fato de tratar-se  de um projeto inicial que poderá fornecer subsídios para que a metodologia ora proposta seja também avaliada para propormos projeto-mãe que abrigará novos projetos de iniciação científica e de extensão universitária, incluindo as demais escolas. Portanto, entendemos que seja mais adequado iniciarmos a coleta de dados com um número menor de escolas. Soma-se a isso, o fato de termos solicitado apenas um bolsista.

 

 

Quanto ao bolsista, deverá atender às exigências institucionais, e possuir o seguinte perfil:

 

1.      Demonstrar interesse em interagir com professores já em exercício da profissão.

2.      Ter curiosidade e compromisso para pesquisar, selecionar dados e realizar análise.

3.      Apresentar bom nível de conhecimento de Inglês mediante conceitos A e B atribuídos nas disciplinas de língua estudadas na Unimep.

 

 

 

 

 

4.      Cronograma de trabalho para o bolsista

 

Período de 2004 - 2005

 

 

Ago

Set

Out

Nov

Dez

Jan

Fev

Mar

Abr

Maio

Jun

Jul

Leitura de textos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

Período de 2004 - 2005

 

 

 

Ago

Set

Out

Nov

Dez

Jan

Fev

Mar

Abr

Maio

Jun

Jul

Confecção de questionário e de entrevista

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aplicação de questionário

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Entrevista com professores

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Entrega de relatórios parciais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tabulação dos dados

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Análise dos dados

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Redação do relatório final

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Entrega do Relatório final

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O(a) aluno(a) será orientado pela professora nas diferentes fases descritas no cronograma.

 

5. Bibliografia

 

Almeida Filho, J. C. P. Dimensões Comunicativas no Ensino de Línguas. Campinas: Pontes, 1993.

 

________________ "A Abordagem Orientadora da Ação do Professor". In: Almeida Filho, J. C. P.(org.). Parâmetros Atuais para o Ensino de Português Língua Estrangeira. Campinas: Pontes, 1997.

 

________________ (org.) O Professor de Língua Estrangeira em Formação. Campinas: Pontes, 1999.

 

Alvarenga, M. B. Configuração de Competências de um Professor de Língua Estrangeira (Inglês): implicações para a formação em serviço. Tese de Doutorado. Campinas: Unicamp, 1999.

 

______________ (a) "Configuração da Abordagem de Ensinar de um Professor com Reconhecido Nível Teórico em Lingüística Aplicada". In: Almeida Filho, J. C. P. O Professor de Língua Estrangeira em Formação. Campinas: Pontes, 1999.

 

Bandeira, G. M. Por que ensino como ensino? Manifestação e Atribuição de Origem de Teorias Informais no Ensinar de Professores de LE (Inglês). Dissertação de Mestrado. Brasília:UnB, 2003.

 

Barcelos, A.M.  "A cultura de aprender línguas". In: Almeida Filho, J.C.P.(org.) O Professor de Língua Estrangeira em Formação. Campinas: Pontes, 1999.

 

Basso, E. A. A Construção Social das Competências Necessárias ao Professor de Língua Estrangeira: entre o real e o ideal. Um curso de Letras em estudo. Tese de Doutorado. Campinas: Unicamp, 2001.

 

Brasil, Ministério da Educação, Secretaria de Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais de Língua Estrangeira Moderna. Ministério da Educação. Secretaria de Educação – Brasília: Ministério da Educação,1996.

 

 Campos, S. e Pessoa, V. I. F. "Discutindo a Formação de Professoras e de Professores com Donald Schön". In: Geraldi, C.M. G., Fiorentini, D. e Pereira, E. M. Ap. (orgs.) Cartografias do Trabalho Docente: professor(a)-pesquisador(a). Campinas: Mercado de Letras, 1998.

 

 Erickson, F. "Qualitative Methods in Research on Teaching". In:  M. C. Wittrock(ed.) Handbook of Research on Teaching. N.Y: MacMillan Publishing Co., 1986.

 

Filgueiras dos Reis, M.R. "Características Metacompetentes do Professor de Prática de Ensino de Língua Estrangeira". Revista Contexturas, v.1, 1992.

 

Freire,A. M. F. Communicative Competence as the Goal of Foreign Language Teaching: teachers´ theoretical framework and classroom practice. Tese de Doutorado, University of Pennsylvania, 1988.

 

Gimenez, T. Learners Becoming Teachers: an exploratory study of beliefs held by prospective and practising EFL Teachers in Brazil. Tese de Doutorado. Lancaster: Lancaster University, 1994.

 

Gómez, A. P.  "O Pensamento Prático do Professor - a formação do professor como professor reflexivo". In: Nóvoa, A.(coord.) Os Professores e a sua Formação. Publicações Dom Quixote, Portugal, 1997.

 

Hoffman, J. Pontos e Contrapontos: do pensar ao agir em avaliação. Porto Alegre:Mediação, 1998.

Krashen, S. D. Principles and Practice in Second Language Acquisition. Oxford: Pergamon, 1982.

 

Luckesi, C.C. Avaliação da Aprendizagem Escolar. São Paulo: Cortez,1996.

 

Magalhães, M. C. C.  "Etnografia Colaborativa e Desenvolvimento do Professor". Trabalhos em Lingüística Aplicada, n.23, 1994.

 

Mello,G. N. Magistério de 1º Grau: da competência técnica ao compromisso político. São Paulo: Cortez,1987.

 

Ortenzi, D. I. B. G. A Prática da Reflexão num Curso de Formação de Professores de Língua Estrangeira. Dissertação de Mestrado. Campinas: Unicamp, 1997.

 

Patrocínio, E. M.F. Repensando o Conceito de Competência Comunicativa no "Aquecimento" da Aula de Português-Língua Estrangeira: uma perspectiva estratégica. Dissertação de Mestrado. Campinas: Unicamp, 1993.

 

Pereira, R. C. B. A Questão da Competência Técnica e do Compromisso Político do Professor do Curso de Formação de Professores. Tese de Doutorado. UFRJ, 1988.

 

Perrenoud, P. Novas Competências para Ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.

 

__________   Formando o Profissional Competente. Porto Alegre: Artmed, 2001.

 

Prabhu, N. S.  "The Dynamics of the Language Lesson". Tesol  Quarterly, 26(2), 1992.

 

Rios, T. A. Ética e Competência. São Paulo: Cortez,1993.

 

_________  "Competência ou Competências - o novo e o original na formação de professores". In: Rosa, D. E. G. et alii. Didática e Práticas de Ensino: interfaces com diferentes saberes e lugares formativos. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

 

Saviani, D. "Os Saberes Implicados na Formação do Educador". In: Bicudo, M.A. V. e Silva Jr. C.A.(orgs.) Formação do Educador:dever do Estado, tarefa da Universidade. São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1996.

 

Schön, D. A. The Reflective Practitioner: how professionals think in action. London: Temple Smith, 1983.

 

Sordi, M.R.L. "A Centralidade da Avaliação nos Processos de Inovação Curricular. Ação Mediadora do Educador". Archètypon, v.1, n.1:155-167, 1992.

 

Souza, V.  A Formação em Serviço do Professor de Inglês da Rede Estadual - construindo atitudes reflexivas. Dissertação de Mestrado. Campinas: Unicamp, 1998.

 

Tardin Cardoso, R. C. O Imaginário do Comunicativismo entre Professores de Língua Estrangeira/Inglês (e sua confrontação com teoria interna). Tese de Doutorado, Unesp de Assis, 2002.

 

Xavier, R. P. A Aprendizagem em um Programa Temático de Língua Estrangeira (Inglês) Baseado em Tarefas em Contextos de 5ª Série do Ensino Fundamental. Tese de Doutorao. Campinas: Unicamp, 1999.

 

Zeichner, K. M. e Liston, D. P. Reflective Teaching: an introduction. Lawrence Erlbaum Associates, Publishers, 1996.


 

1 Concordamos com a autora quando diz que não se trata de negar a eficácia de determinadas  escolas de idiomas.

2 A discussão sobre a formação do professor no Curso de Letras tem sido realizada, por exemplo, em forma de jornadas, como  a  JOPLE - Jornada de Professores de Línguas Estrangeiras das Faculdades Particulares do Estado de São Paulo. A III JOPLE foi realizada em 2003, na UNIMEP, e teve como tema As 200 Horas de Atividades Acadêmico-Científico-Culturais.

2  O número de professores de Inglês que atuam nas escolas públicas de Piracicaba  é desconhecido pela Diretoria Regional, conforme fomos informados pela própria Diretoria.